sexta-feira, 22 de março de 2013

A cruzada de Wyllys

Dep. Jean Willis tem se destacado na defesa dos direitos humanos
O Dep. Jean Wyllys (Psol) surpreendeu. Saiu do BBB para ser um dos mais destacados parlamentares na defesa dos direitos humanos, principalmente na causa dos homossexuais, já que ele é um e se reconhece assim.
Nunca morri de amores pelo Psol, acho até que o partido está na contra-mão do momento histórico que estamos vivendo com a esquerda completando 10 anos no poder no Brasil, mas reconheço sua luta e acredito que ele mereça nosso apoio e solidariedade em relação aos ataques que vem sofrendo por parte dos fundamentalistas religiosos ligados ao Pastor e deputado ainda presidente da Comissão dos Direitos Humanos da Câmara Federal, Marcos Feliciano (PSC).
Wyllys tem liderado a “cruzada” para tirar da presidência da comissão o pastor, que tem feito declarações homofóbicas, racistas e responde a processo no STF por estelionato. Em resposta alguns protestantes vêm divulgando declarações falsas de Wyllys, ligando o parlamentar à pedofilia. Um vídeo escabroso e difamatório contra o deputado também vem sendo ignorantemente replicado nas redes sociais.

Comunistas direto do túnel do tempo


Ontem foi dia de programa do PCB na TV. Parece que o partido perdeu a noção da realidade e está perdido na linha do tempo. Usa uma linguagem da década de 1930, pouco inteligível para a maioria da população. Os temas abordados também são bem desconexos com a realidade da maioria do povo brasileiro, embora importantes.
Seria bom dar uma sacudida na poeira, modernizar a linguagem e diversificar os temas abordados de forma a ampliar o público e completar a comunicação com seus interlocutores. Do jeito que está a mensagem chega apenas a uma minoria. Parece que é o partido falando para o partido.
Assista ao vídeo clicando aqui.

quarta-feira, 20 de março de 2013

Humanos direitos prestes a depor Feliciano


A renúncia do pastor e deputado Marcos Feliciano (PSC) da presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados é quase certa. Ele não conseguirá permanecer no cargo diante da pressão dos ativistas dos direitos humanos que o consideram racista e homofóbico, portanto, desqualificado para presidir a Comissão, uma das mais importantes da Casa.
A polêmica em torno do nome do religioso começou ainda quando foi anunciada sua possível eleição para o cargo. Segundo os ativistas, em 2011, Feliciano usou o Twitter para dizer que os descendentes de africanos seriam amaldiçoados. "A maldição que Noé lança sobre seu neto, Canaã, respinga sobre o continente africano, daí a fome, pestes, doenças, guerras étnicas!", escreveu.
Desde assumiu a Comissão os protestos só Vêm se multiplicando em todo o Brasil. Nas duas sessões que ele presidiu na CDH, houve protestos. Hoje, a sessão chegou a ser suspensa devido à presença dos manifestantes.
O presidente da Câmara, Dep. Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) já se posicionou discretamente pela renúncia de Felicino, deixando a decisão por conta do seu partido, que admite a renúncia como solução para o caso. "O que consegui deles [PSC] é a solidariedade de nos próximos dias reunir os seus membros do partido, com toda sua bancada, e, nos próximos dias, encontrar uma solução respeitosa para todos", disse. O Pr. Feliciano responde a processo no STF por estelionato.
Com informações do UOL

terça-feira, 19 de março de 2013

Em Belém ativistas protestam contra Feliciano

Ativistas dos Direitos Humanos exibem faixas contra o Pr. Feliciano
Neste domingo as portas do Teatro da Paz transformaram-se em palco para um grupo de humanistas fazer mais um protesto contra a escolha do pastor Marcos Feliciano para presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal.
Eles divulgavam uma nota de repúdio assinada, dentre outras entidades, pela OAB e UNE. O protesto foi convocado pelas redes sociais e aconteceu também em várias outras cidades pelo Brasil. Participaram representantes de entidades ligadas a defesa de homossexuais, negros, mulheres e também cristãos que exibiam cartazes afirmando que Feliciano não os representa.

Assembleia do Pará devolve mandato de cassados na ditadura


A Assembleia Legislativa do Pará realizou nesta segunda-feira (18) a devolução simbólica do mandato de políticos cassados pela ditadura militar (1964-1985), seguindo iniciativa da Câmara dos Deputados e do Senado no fim do ano passado.
Foram homenageados um ex-governador, um ex-vice-governador e dez deputados estaduais. Desses doze, apenas dois estão vivos e compareceram à sessão. Os demais foram representados por familiares.
O ex-governador do Pará que recebeu simbolicamente o mandato de volta foi Aurélio do Carmo, hoje com 91 anos, que havia sido eleito em 1960 pelo então PSD, mesmo partido do presidente Juscelino Kubitschek (1956-1961). Ele foi deposto em 1964 pelo regime militar.
O outro homenageado ainda vivo foi o ex-deputado estadual Amilcar Moreira, 82, que também era do PSD e depois integrou o PMDB, único partido de oposição durante o regime militar.
O pai do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), Laércio Barbalho, também estava entre os homenageados, pois era deputado estadual pelo PSD e foi cassado em 1964.
A sessão teve caráter apenas simbólico. A Assembleia Legislativa do Maranhão também realizou iniciativa semelhante no mês passado. (AGUIRRE TALENTO)

Fonte: Folha de São Paulo

segunda-feira, 11 de março de 2013

Tablet do Professor


O governo Federal estará entregando em breve um tablet apara cada professor da Rede Estadual de Ensino. As escolas de Tucuruí já foram informadas há pelo menos 15 dias que os aparelhos estão a caminho e estão apenas aguardando a entrega.
Os Tablets, de dez polegadas, têm a função de qualificar tecnologicamente o ensino e foram adquiridos com recursos do MEC/FNDE.
Pelo que eu já andei sabendo, o professor terá apenas o direito de uso do aparelho, que será de propriedade da escola. Até aí tudo bem, afinal vamos encarar como um recurso didático a nossa disposição, porém o que dói mesmo é saber que troço é amarelo.

domingo, 10 de março de 2013

Uma nova vitória de Cháves

Mesmo morto Cháves será o grande cabo eleitoral de Maduro
A semana que passou foi bastante movimentada. Uma explosão de acontecimentos importantes como há muito não se via. Um pastor homofóbico e racista foi eleito presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, a morte inesperada do roqueiro Chorão, a decisão em relação a distribuição dos royalties do petróleo que desagradaram os estados produtores. Porém acredito que o que mais chocou veio de fora de nossas fronteiras. Falo da morte prematura do presidente venezuelano Hugo Cháves, o que acelerou a disputa entre esquerda e direita pelo comando do país, que acontecerá em nova eleição maracada para daqui há um mês.
Quem disputará pela continuação da revolução bolivariana é o indicado por Cháves, ainda em vida, Nicolás Maduro. Seu adversário deverá ser Henrique Capriles, que vai concorrer pela segunda vez ao cargo. Tudo indica que Capriles será derrotado novamente. Se isso acontecer Cháves terá vencido mais uma, mesmo estando morto.
A direita, tanto na Venezuela quanto no Brasil e no resto do mundo capitalista, não aceita as sucessivas derrotas impostas pelo que chamam de “chavismo”. Insistem em moldar a imagem de um Hugo Cháves autoritário, mas esquecem de dizer que sua permanência no poder por 14 anos, assim como todas as mudanças implementadas por ele foram amplamente referendadas pelo voto universal.
Chaves derrotou a direita usando seu próprio instrumento, a “democracia” liberal, acabando com séculos de domínio das oligarquias venezuelanas, implementou mudanças econômicas e iniciou uma verdadeira revolução social.
Segundo dados da Cepal (Comissão Econômica para América Latina e Caribe da ONU), quando Cháves assumiu, em 1999, quase a metade da população vivia abaixo da linha da pobreza, 49,4%, em 2012, este número caiu para 29,5%. O desemprego foi reduzido de 14,9% para 5,9%, e a desigualdade social diminuiu a um dos níveis mais baixos da região.

quarta-feira, 6 de março de 2013

90 por cento dos alunos que concluem o ensino médio não sabem matemática. 70 por cento não assimilam o ensino de Língua Portuguesa


Um relatório chamado “De olho nas metas” divulgado hoje (06/03/2013) pelo movimento Todos pela Educação revela que 9 em cada 10 alunos que concluem o ensino médio aprenderam matemática, ou seja, apenas 10%. No caso da disciplina Língua Portuguesa a cada 10 alunos, apenas 3 assimilam os conhecimentos, o que dá um percentual de apenas 30%.
Esses índices baixíssimos não me surpreendem e acredito que também acontece o mesmo com meus colegas que estão no dia a dia cumprindo a difícil tarefa de educar na sala de aula das escolas brasileiras.
Os coordenadores do Todos pela Educação culpam o fraco desempenho do ensino fundamental 1 e 2 e também o currículo inchado com excesso de disciplinas. Concordo com eles, porém outros elementos bem negativos podem ser acrescentados. Um deles é o desestimulo, tanto por parte dos professores, que trabalham excessivamente em três turnos quanto dos alunos que contam apenas com uma sala de aula monótona em que se pratica um ensino enfadonho.
Ultimamente tenho pensado o quão bom seria se nossas escolas oferecessem espaços adequados para que o aluno desenvolvesse naturalmente suas habilidades, estimulando a criatividade e seu potencial autodidata. Verdadeiras bibliotecas prontas para desbravar o conhecimento, internet de alta velocidade, mini-cursos extracurriculares, palestras formadoras de opinião e cidadãos, quadras de esporte, laboratórios multidisciplinares são apenas alguns exemplos do que poderíamos ter agregado ao ensino tradicional, que deve, com certeza, ser mantido.
Veja matéria sobre o assunto clicando aqui.