terça-feira, 26 de junho de 2012

Mercosul suspende Paraguai de cúpula

Paraguai vive momento político dificil com o golpe que destituiu Lugo
Países-membros condenam impeachment de presidente e impedem participação de paraguaios na próxima reunião
Apesar dos esforços do novo chanceler paraguaio, José Félix Estigarribia, de buscar diálogo com países vizinhos após o impeachment de Fernando Lugo, o Paraguai foi suspenso da próxima reunião de cúpula do Mercosul, marcada para quinta-feira em Mendoza, na Argentina. A informação foi transmitida neste domingo por comunicado pela chancelaria da Argentina. Segundo o texto, os países-membros decidiram “suspender o Paraguai de forma imediata do direito de participar da 43 Reunião do Conselho do Mercado Comum e Cúpula de Presidentes do Mercosul, assim como das reuniões preparatórias”. O documento assinala que Brasil, Argentina, Uruguai, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru reprovam energicamente a “ruptura da ordem democrática na República do Paraguai”.
Antes do comunicado, a Venezuela já havia anunciado a interrupção do envio de petróleo ao Paraguai. Além disso, Venezuela, Argentina, Uruguai e Brasil convocaram seus embaixadores instalados na capital. Em nota divulgada ainda na noite de sábado, o Itamaraty condenou o processo de impeachment e chamou de volta para Brasília o diplomata brasileiro Eduardo dos Santos. “O governo brasileiro condena o rito sumário de destituição do mandatário do Paraguai, decidido em 22 de junho último, em que não foi adequadamente assegurado o amplo direito de defesa”, disse a nota.
Neste domingo, pela primeira vez após o seu afastamento, o presidente deposto Fernando Lugo apareceu e anunciou que vai ao encontro do Mercosul. Ele ainda pediu que a democracia retorne ao seu país e afirmou que vai apoiar todas as manifestações pacíficas para que a abalada ordem institucional seja restabelecida. “Este é um governo falso. Não se pode colaborar com um governo que não tem legitimidade”, declarou.
Fonte: Diário SP

Nenhum comentário: