sábado, 21 de abril de 2012

Quando o PMDB se definir vai arrastar uma multidão

União em torno do pré-candidato Gualberto pode levar o PMDB de volta à prefeitura
Tudo parecia concretizado na grande festa peemedebista que lançou o nome do ex-deputado Gualberto Neto à prefeitura de Tucuruí no início de setembro passado. O evento contou inclusive com a participação de grandes lideranças estaduais, como Jader, Helder e Parsifal, porém figuras caricatas dentro do partido começaram a puxar a corda para o lado oposto e tudo desandou.
Uma das teses do contra é apresentar o ex-prefeito Claudio Furmam como novidade, como o único que pode enfrentar e ganhar do atual prefeito, Sancler Fereira. Quanta falta de objetividade numa análise do quadro político-eleitoral. Esquecem-se da vergonhosa derrota de 2008, quando, tendo a máquina na mão, amargou um terceiro lugar.
A luta agora é para colocar a locomotiva do PMDB nos trilhos novamente. Enquanto isso, Sancler vai azeitando a máquina, os outros partidos vão lançando pré-candidaturas aventureiras e ninguém entende mais nada.
O que está faltando para a pré-candidatura do PMDB deslanchar é uma definição. Quando houve seu lançamento a idéia era trabalhar para viabilizá-la, mas o que se viu de lá pra cá foi exatamente o contrário.
Quando o partido, unido, anunciar a paz e reconfirmar publicamente a candidatura do Gualberto, as adesões serão inevitáveis e o PMDB vai arrastar uma multidão. Quanto mais tempo a atual situação permanecer, mais perigoso fica o jogo. É preciso fazê-lo antes que as candidaturas avulsas se consolidem e uma oposição dividida entregue de bandeja a reeleição ao atual prefeito.

Foto: Jornal de Tucurí e Região

6 comentários:

Zé Ruela disse...

Meu caro teacher, o PMDB apesar da sua grandeza é um partido que ultimamente acostumou-se a ser coadjuvante.Quando não compõem como vice,lança candidatos com pouca relevância sempre pensando numa composição no segundo turno e cargos.Está aí o segredo de sua "sempre" indefinição.

Anônimo disse...

Parafraseando um trecho de uma música conhecida... tudo está ficando "do jeito que o Sampeta gosta tá, do jeito que o Sampeta quer".

Anônimo disse...

Caro amigo,

O problema não é do PMDB, ou talvez seja. A indicação do candidato é que foi uma catastrofe. O mesmo não consegue decolar, e não consegue conquistar os seus pares.
Vai uma pergunta; quem da oposição quer compor com ele?
Conversa com o James, Roquevan e o Jones e tu tens a resposta.
Professor tú tens que acordar tú és inteligente e não percebes que o Gualberto não consegue unir ninguem em torno dele?
O Gualberto talvez seja o maior problema da desagregação da oposição em Tucuruí e não o PMDB.

Fulano de Tal

Anônimo disse...

Antes era o PSDB conhecido como o partido de cima do muro agora é o PMDB.

Guto Magalhães disse...

Fulano de Tal,

O candidatopode até não ser o ideal. Na verdade não existe uma liderança que aglutine a oposição no atual quadro político de Tucuruí. Ma é inegavel que o PMDB tem um capital político imenso e um candidato do partido é em potencial competitivo. Se o PMDB tivesse remado na mesma direção desde o encontro de setembro acredito que uma grande chapa da oposição já estaria formada, acredito que inclusive com a adesão do PT, pois, ao contrário do que você diz, tenho ouvido de lideranças parlamentares petistas no nossp municipio que o Gualberto é um nome viável sim. Acontece que o PT também tem capital politico e quer se colocar na disputa e issoé legitimo. O que os petistas têm dito, inclusive o seu pré-candidato é que está disposto a conversar e apoiar o PMDB caso seu candidato esteja em melhores condições em junho quando encerra-se o prazo para lançamento de candidaturas.

Anônimo disse...

No final... tirar o Sampeta do cargo é o que importa.