sexta-feira, 16 de março de 2012

Cidades viram canteiros de obras em ano eleitoral

Leia essa reportagem do Portal UOL. Qualquer semelhança com o que acontece em Tucuruí não é mera coincidência. Aqui o prefeito corre contra o tempo (chuvoso) para fazer no último ano o que não fez nos três primeiros. Quem sofre é a população, pois algumas ruas da periferia, como esta da imagem acima, que fica no bairro Carajás, estão intrafegáveis. Mesmo a pé, circular por ali virou uma aventura.
Ano de eleição municipal e a situação se repete em várias cidades do Brasil: de olho nas urnas, políticos lançam ou apressam obras que, em muitos casos, estavam paradas ou cujos cronogramas previam outras datas de inauguração, para não mencionar a necessidade ou a prioridade de algumas dessas obras. São ruas com trechos interdidados, praças fechadas, recapeamentos de vias, calçadas onde a passagem de pedestres se torna quase impossível e outras variedades. Alguns municípios viram verdadeiros "canteiros de obras" nesta época. Pela legislação eleitoral, candidatos à eleição só podem participar de inaugurações de obras até o dia 7 de julho.
A prática de concentrar inaugurações de obras em anos eleitorais é recorrente no país e ruim para a gestão pública, avalia o professor do Departamento de Gestão Pública da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Marco Antonio Teixeira.
“É muito comum os governantes do Brasil fazerem isso. Deixarem seu pacote de investimentos para o ano eleitoral, exatamente para aumentar a sua popularidade para ter condições de se reeleger ou de fazer o seu próprio sucessor”, diz. Continue lendo.

Nenhum comentário: