terça-feira, 18 de outubro de 2011

Cresce emprego no Pará. Tucuruí tem saldo negativo

Segundo a Ag. Pará de notícias, o Estado continua com saldo positivo na geração de empregos formais e esse crescimento tem acontecido principalmente no interior. Qual surpresa? Tucuruí está entre os poucos que apresentam índices negativos juntamente com Jacundá e Benevides.

"Nos últimos 12 meses, a maioria dos postos de trabalho gerados no Pará (saldo total de 46.232) ocorreu no interior do Estado. Desse saldo, 39% foram obtidos na Região Metropolitana de Belém (18.194 postos). O restante - mais de 60% ou 28.038 postos - foram gerados no interior do Estado (...).

(...) O destaque foi Belém (capital): mais 11.355 postos de trabalho, o que corresponde a 24,56% do saldo total de postos (46.232) gerados no Pará nesse período. Os municípios que foram destaque na geração de empregos, nos últimos 12 meses, depois de Belém, foram: Ananindeua (saldo positivo de 5.799 postos), Marabá (4.538 postos), Parauapebas (3.226 postos), Altamira (2.409 postos), Santarém (2.021 postos), Breves (1.363 postos), Barcarena (1.346 postos), Tailândia (1.203 postos), Moju (1.171 postos), Paragominas (1.160 postos), Castanhal (1.116 postos). Mas nesse mesmo período, alguns municípios apresentaram saldos negativos de empregos formais: Tucuruí (menos 1.992 postos), Jacundá (menos 192 postos) e Benevides (menos 183 postos)."

O estudo foi feito pela Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Renda (Seter) em associação com o Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos (Dieese-PA).

Um novo tempo, apesar dos perigos (...).

Com informações da Ag. Pará. Leia matéria completa

Um comentário:

Anônimo disse...

Nessa eleição municipal que se aproxima o grande desafio do (esperamos) novo gestor vai ser reverter essa situação, tirando Tucuruí dessa dependência negativa em torno da Eletronorte e que ela pode ou não oferecer, a melhor opção seria investir em educação, talvez tornando Tucuruí um grande pólo educativo a exemplo do que já fizeram outras cidades do interior. O problema é que educação é um investimento com resultadoa a médio e longo prazo e em se tratando de eleições o que dá voto é o imediato às vezes nem tão necessário assim e às vezes muito mal feito.