quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Justiça condena dois ex-prefeitos por improbidade no PA

Por Equipe AE
São Paulo - A Justiça Federal do Pará condenou os ex-prefeitos dos municípios de Moju, João Martins Cardoso Filho, e de Tailândia, Francisco Alves Vasconcelos, por improbidade administrativa. Ambos desviaram verbas públicas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Eles foram condenados ao ressarcimento integral dos danos causados aos cofres públicos, valor que ainda será levantado.
Os condenados também tiveram suspensos seus direitos políticos por seis anos, ou seja, eles não poderão se candidatar a cargos públicos e nem votar durante esse período. Cardoso Filho ainda deverá pagar multa equivalente a duas vezes o valor desviado, quantia que ainda será apurada. Já Francisco Alves terá que devolver aos cofres públicos o valor da verba repassada ao município de Tailândia. Os dois ex-prefeitos também estão proibidos de receber incentivos fiscais ou creditícios por cinco anos.
A decisão, do juiz Rafael Araújo Torres, da 5º Vara Federal em Belém, chegou ao conhecimento do procurador da República Felício Pontes Jr. na última sexta-feira, 26. No processo encaminhado à Justiça Federal em 2008, o MPF denunciou que João Martins Cardoso Filho utilizou irregularmente a verba repassada pelo FNDE, liberando verbas públicas em desacordo com o que determina a lei.
O relatório da CGU apontou ainda que em vários concursos a empresa Atacadão Ventura foi contemplada e beneficiada, vencendo a concorrência pelo quesito qualidade e não por menor preço, como é o recomendado. Uma das sócias do Atacadão Ventura é a esposa do prefeito, Elizabete Ventura de Souza Cardoso, que também fazia parte da comissão julgadora das licitações.
Já em Tailândia, o convênio entre o FNDE e o município tinha por objetivo a reforma de seis escolas, aquisição de equipamentos educativos para 21 escolas, ampliação de outras cinco escolas e a perfuração de 11 poços artesianos. Vencido o prazo para a prestação de contas, foi verificado que Francisco Alves Vasconcelos não apresentou nenhuma documentação, mesmo tendo sido intimado por duas vezes. Devido à falta de prestação de contas, o Tribunal de Contas da União (TCU) instaurou inquérito para apurar a questão no município e constatou que nenhum item previsto no convênio foi realizado.
Agência Estado - Uma empresa do Grupo Estado - Copyright © 2011 - Todos os direitos reservados.

Nenhum comentário: