sábado, 2 de julho de 2011

TSE marca para dezembro plebiscito sobre divisão do Pará

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) definiu, na última quinta-feira (30/6), o calendário eleitoral para a realização do plebiscito que decidirá sobre o desmembramento do Estado do Pará e a criação dos Estados de Carajás e Tapajós. O plebiscito está marcado para o dia 11 de dezembro deste ano, com a abertura das seções eleitorais às 8h e encerramento da votação às 17h.
Os ministros chegaram à conclusão que todos os eleitores do Estado do Pará devem participar do plebiscito, conforme determina o artigo 7º da Lei 9.709/98. De acordo com a norma, no caso de desmembramento deve ser consultada a população diretamente interessada.
Também foram definidas as duas perguntas que devem ser respondidas pelos eleitores: a primeira é: você é a favor da divisão do Estado do Pará para a criação do Estado do Carajás? A segunda é: você é a favor da divisão do Estado do Pará para a criação do Estado do Tapajós?
O calendário autoriza a propaganda sobre o plebiscito a partir do dia 13 de setembro, inclusive na internet e com alto falantes e amplificadores de som. Também a partir desta data as pesquisas de opinião pública relativas ao plebiscito deverão ser registradas no TRE-PA (Tribunal Regional Eleitoral do Pará). Já a propaganda gratuita no rádio e na televisão, a ser transmitida apenas para o Estado do Pará, terá início no dia 11 de novembro, 30 dias antes do plebiscito.
Fonte: ultimainstancia.uol.com.br

Um comentário:

Anônimo disse...

OS ATAQUES DA ELITE DE BELÉM COMEÇARAM....

Segundo Sérgio Couto, substituto do deputado Zenaldo Coutinho no seminário realizado ontem, na UFPA, existem três tipos de pessoas favoráveis a criação dos novos Estados: 1. "os ingênuos", 2. "os oportunistas", 3. "e aqueles que só querem tirar lucro, os empresários". Citando o tristemente famoso major Curió, classificou tambem os que chegam ao Pará vindo de outros Estados: o corno, o foragido e o endividado. Tudo isso dito no ambiente acadêmico e transmitido pelo portal da UFPA. Houve reação imediata da platéia e um interferiu acusando Couto de xenofobia. Prenúncio do que virá?