quinta-feira, 2 de junho de 2011

Você é a favor da divisão do Pará?

O título desta postagem é a pergunta que estou fazendo para algumas lideranças representativas da sociedade civil tucuruiense dos mais diversos setores. Políticos, lideranças populares, empresários, religiosos, educadores e muitos outros darão suas opiniões respondendo à mesma pergunta. O objetivo é iniciar o debate sobre o futuro do Pará e dos possíveis Estados do Carajás e Tapajós, que será decidido pela população em plebiscito provavelmente ainda esse ano.
A primeira opinião sobre o assunto aqui no blog é a de uma grande liderança do movimento popular, diretor do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e dirigente do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Roquevan Alves Silva.

Roquevan (MAB)
"Eu sou contra a divisão do Estado. O que leva as pessoas a quererem a divisão é o fato de que o Estado não opera nos 144 municípios, mas isso é em função da inoperância dos nossos representantes. Quando tivermos parlamentares atuantes, que de fato representem o povo, o Estado pode ser grande como for, mas o governador vai ter que atuar. Enquanto não tiver essa representação, pode ser o menor Estado, não vai progredir.
Por outro lado, sabemos que existe uma questão constitucional: o Estado mãe não pode ficar mais pobre que os filhos e o Estado do Pará vai ser um Estado mais pobre que o do Tapajós e o do Carajás, em especial em relação ao do Carajás.
Outro problema é que vamos ter de criar novas Estruturas de governos de Estados e  Assembléias Legislativas, onerando e criando uma situação financeira que vai piorar ainda mais a situação da população. Então tem muita coisa em jogo.
E não é apenas o Roquevan que é contra a divisão do Estado, mas o MAB já iniciou esse debate e posso dizer que já temos uma posição: somos contra a divisão do Estado do Pará."

5 comentários:

Renato Dias disse...

Sou a favor. Este texto contrario leva em consideração apenas aspectos politicos, e em nada tem referencia com a parte social, que deveria ser feita pelo governo do estado, porem, o mesmo deixa em total abandono as regiões do Carajas e do Tapajós. Sem contar que o estado do Pará não ficará mais pobre, como é alegado, apenas deixará de arrecadar destas referidas regiões, por exemplo, no futuro estado do Carajás reponsável por quase 38% da arrecadação do estado, e não recebe do governo do estado retorno desta arrecadação para o desenvolvimento da região.
Imagina então, quem mora no extremo sul do estado do Pará, a quase 1.000 km da capital, rodando nestas estradas precárias, com pouquissima manutenção.
Sou a favor, pois se quem ama não separa, quem ama cuida.....

Zé Ruela disse...

Com a divisão,como é que fica os funcionários do Estado do Pará(concursados),terão que se mudar para Belém ou serão demitidos? Existem os beneficios prós e contras,os contras é que pesam mais numa decisão.

Anônimo disse...

Concordo com o Renato Dias, pois Tucurui é um exemplo do abandono do poder público, tanto estadual quanto federal.
Aqui nao tem emprego, enfim nao tem nada, o desenvolvimento nao chega.
A divisao do estado pode propiciar um desenvolvimento mais igualitário para os municipios envolvidos.

Alexandre Pires disse...

Renato dias, pelo amor de Deus, se um Estado deixa de arrecadar claro que ficará mais pobre. Professor Augusto disse tudo, não basta apenas culpar o Governo do Estado, a população das areas separatistas devem cobrar de seus representantes, pois eles possuem poder sufuciente para implantar políticas públicas para a sua região.
Renato, o abandono é geral, seja na região metropolitana ou no interior. Aqui em Belém a violência só cresce, todos os dias morrem pessoas nas filas dos hospitais; escolas cada vez mais precárias. Então vamos criar um Estado de Belém? Não! Vamos sim, cobrar dos nossos governantes ação e o fim da corrupção.
Renato, se cada um cobrar mesmo dos seus representantes ele se sentirá fiscalizado, diminuindo os superfaturamentos de obras, corrupções e ect.., este sim, o mal maior.

Renato Dias, será que o prefeito do seu município está empregando corretamente as verbas públicas; e os vereadores da sua cidade, o que eles andam fazendo de bom para ela? E os deputados estaduias que representam sua região? O que eles já fizeram de bom para o seu município?

Essa é a política da terra arrasada, onde eles mesmos, os representantes, são causadores desse abandono, visando benefícios pessoais mais a frente. Ou vc acha que quem irá governar essas novas regiões? Serão os mesmos!!!

Anônimo disse...

contra a divisão por achar que nao partiu da população esse movimento...
e os politicos separatistas que ficarão no comendos dos estados caso haja a separação nao sao confiveis e aumentará a miséria