segunda-feira, 13 de junho de 2011

Galo vira Fênix e leva título nos últimos minutos

Torcida lota o Navegantão na vitória histórica do Independente
Depois de 90 minutos de muita pressão cametaense, o Independente Tucuruí conseguiu o empate salvador e, no apagar das luzes, sagrou-se campeão do segundo turno do Parazão 2011, para alegria da torcida local, que comemorou bastante o sofrido título. Agora, a equipe interiorana irá enfrentar o Paysandu para definir se, enfim, um time de fora da região metropolitana de Belém será campeão do certame papa-chibé.
Além do título, da classificação para a finalíssima (Taça Açaí), dos R$98 mil de premiação do governo do Estado, o Galo Elétrico ainda abocanhou, de quebra, a vaga na Série D e na Copa do Brasil 2012. É mole ou quer mais? Isto quer dizer que o time de Dida, Guará, Gian e cia. terá o calendário de jogos oficiais garantido por, pelo menos, uma temporada.
E pensar que até os 43 do segundo tempo tudo isso era do Cametá... O Independente começou a partida com o regulamento debaixo do braço. A estratégia acabou não surtindo o efeito desejado e a agremiação da “Terra dos Romualdos”, o Mapará, bombardeou a meta do Galo durante boa parte do jogo. Tanto empenho resultou em gol aos 20 da etapa final. Leandro Cearense conseguiu estufar a meta do goleiro Dida. Faltava mais um gol para o Cametá, já que havia perdido o primeiro jogo da decisão no Parque do Bacurau por 2 a 1.
O objetivo foi alcançado aos 34 minutos, com uma testada certeira do volante Adenísio. A partir daí, os jogadores do Mapará estavam nervosos, pois sabiam que aqueles minutos finais poderiam definir muitas coisas em suas vidas. No banco de suplentes, havia atletas ajoelhados esperando o fim da partida, que tardava a vir. Foi aí que o Galo, aparentemente depenado dentro de seu terreiro, renasceu da cinzas, feito uma fênix e, depois de uma falta cobrada por Lima, a bola acabou caindo açucarada, com ‘amor e afeto’, como se diz, nos pés do oportunista Wegno. O atacante fez o seu e acabou expulso por sua comemoração exagerada.
A partir daí, a ofensividade, a tática, tudo foi por água abaixo no time de Fran Costa, que viu a eliminação concretizada, quando Joãozinho, livre, chutou no canto de André Luiz para fechar o placar.

Galera de Tucuruí: solte o grito preso de campeão

“Esse título coroa o bom trabalho que fizemos durante todo o campeonato, especialmente no segundo turno. A torcida e o grupo mereciam isso”. O treinador Sinomar Naves, do Galo Elétrico de Tucuruí, disse a frase pouco depois de acenar para a torcida e cumprimentar cada um de seus heróis dentro de campo, num feito inédito para o clube. “Em 2009, quando acolhemos o Independente, ele tava na ‘prateleira’ da FPF, ninguém queria. Começamos de baixo, na segundinha, e hoje podemos ser o primeiro time de fora de Belém a ser Campeão Paraense”, afirmou o presidente do clube, Deley Santos, acrescentando que a receita para o sucesso de um time é pagar os salários e as bonificações em dia.Neste curto período que separam a data da atual filiação – o clube foi fundado em Belém, na década de 70 – o Independente conquistou muito mais que uma classificação ou um troféu: a torcida local adotou o time, e foi o 12° jogador neste Parazão 2011.
Na decisão de ontem, enquanto o time ficava na defensiva, muitos torcedores ficaram desesperados, choravam, se revoltavam, e até esboçavam (tímidos) gritos de burro para o técnico Sinomar Naves.
O bom público de mais de oito mil pessoas – maior do que muitos jogos da Série A do Brasileirão – sofreu junto com o time até o fim, e foi recompensada no finalzinho, novamente com ele, Wegno, que saiu do banco de suplentes para fazer a alegria da galera no Navegantão. “Sem palavras para essa torcida maravilhosa. Amanhã (hoje) deve ser feriado em Tucuruí”, sugere o atacante. Joãzinho ainda fecharia o caixão do adversário.

Fonte: Diário do Pará
Foto: Blog do Miguel (morodrigues.blogspot.com)

3 comentários:

Zé Ruela disse...

Já que o galo estava perdendo o combate para o mapará,eis que que o técnico Sinomar Naves, resolveu apostar em outro animal,colocando em campo curimatá.Só um outro peixe mais forte poderia derrotar o Mapará.A estratégia deu certo, e no combate aquático o galo,digo curimatá foi vencedor.Resumindo Galo Campeão.

Anônimo disse...

Esse galo tá mais pra pato. Lembram da história do patolino nos desenhos animados? Levou a fama de botar o ovo de ouro e não conseguiu, mas sobre pressão (de uma arma na cabeça), colocou o ovo na mesma hora, kkkkkkkkk.

Anônimo disse...

Eu odeio futebol, sobretudo esse de Tucurui com esse time comprado, pois ouvi dizer que para esse time de merda ganhar de ultima hora, foi necessario pagar para os jogadores do cametá entregarem o jogo.
Acho que isso procede.